Historiadores não estão certos de que ele tenha existido.
Não obstante, são atribuídos à sua lavra os dois maiores poemas épicos da antiga Grécia:

A Ilíada, que exalta as proezas do herói Aquiles, na última etapa da guerra de Tróia.

A Odisséia, que narra as aventuras de Ulisses, rei de Ítaca, marido de Penélope.

Trata-se, como o leitor já percebeu, de Homero, o poeta supostamente cego que teria vivido no século IX a.C.


***

Em Revista Espírita, novembro de 1860, Allan Kardec reporta-se a uma comunicação mediúnica assinada por Homero.
O poeta se identificou dando informações relacionadas com sua infância em Mélès, razão pela qual era chamado Mélèsigène, fato que Kardec desconhecia e que confirmou depois.
O médium era de poucas letras e não tinha nenhum conhecimento a respeito do autor da mensagem.
São detalhes importantes para autenticar a manifestação.
Kardec indagou se os poemas, como os conhecemos hoje, são fiéis aos originais.

– Foram trabalhados – informou Homero.

Bem de acordo com as pesquisas atuais.
Supõe-se que, originariamente, os dois poemas pertenceram à tradição oral. Isso implicava em alterações freqüentes, não apenas quanto à forma, mas ao próprio conteúdo, na base do velho “quem conta um conto aumenta um ponto”, até que se fixassem os textos definitivos.

Apesar desses senões, a figura de Homero ganha consistência na força daqueles poemas, que se apresentam como vigoroso panorama da cultura helênica.
Destaque-se dois aspectos fundamentais:

Primeiro, a visão antropomórfica.
Os deuses são situados como seres caprichosos que, inspirados em paixões e desejos, interferem freqüentemente nas ações humanas.

A própria guerra de Tróia, que serve de cenário para A Ilíada, teve início por causa de uma disputa entre as deusas Hera, Afrodite e Atena, a saber qual a mais bela.
O príncipe Páris foi chamado a decidir. Escolheu Afrodite, que o seduziu com a promessa de que lhe daria por recompensa a mais bela mulher do mundo.

A deusa não teve nenhum constrangimento em relação a pequeno detalhe: a prometida era casada, esposa de Menelau, rei de Esparta.

Com suas artes Afrodite ajudou Páris a raptar Helena.
Liderando a reação dos gregos, Menelau iniciou a guerra para resgatar a rainha.

O outro aspecto diz respeito à instabilidade de suas personagens lendárias, em contraditório comportamento:
De um lado, ideais de nobreza, inspirando ações heróicas e meritórias.
De outro, fraquezas a se exprimirem em ódios e paixões, capazes de gerar ações torpes e más.
A narrativa de Homero transcende a cultura helênica, reportando-se à própria humanidade, com suas virtudes e mazelas.

Como sempre acontece em relação à cultura grega, temos nos dois poemas épicos uma representação mitológica da realidade.

O Olimpo, monte grego nas proximidades do golfo de Salonica, seria a morada dos deuses.
O mundo espiritual é bem mais amplo.

Projeta-se em outra dimensão, que interpenetra a nossa, colocando-nos em contato permanente com seres espirituais que, à semelhança dos deuses, nos observam, acompanham, inspiram e influenciam.

Somos, não raro, joguetes de Espíritos que, qual o faziam os habitantes do Olimpo, imiscuem-se em nossos pensamentos, ações e iniciativas, exercitando seus caprichos e explorando nossas fraquezas.

Sob sua ação, de acordo com nossas tendências, revelamos indesejável ciclotimia, alternando bons e maus momentos, boas e má ações, pensamentos virtuosos e viciosos, ao sabor das circunstâncias, como as personagens mitológicas.

Mas os próprios deuses sabiam que acima de seus caprichos estava um poder supremo, que chamavam destino, a cujos desígnios não podiam furtar-se.

O destino exprime a vontade de Deus, Senhor da Vida, o pai de amor e misericórdia revelado por Jesus.

O Criador tem objetivos bem definidos a nosso respeito, que vamos conhecendo na medida em que amadurecemos.
Nesse mister, algo já sabemos:

• A Terra – nossa escola.

• A dor – nossa mestra.

• As dificuldades – nossos estímulos.

• Os problemas – nossos desafios.

• O Bem – nosso caminho.

• O mal – nosso desvio.

• A perfeição – nosso destino.

Assim, paulatinamente, nos habilitaremos a superar a influência dos “deuses” submetendo-nos aos abençoados desígnios de Deus.

Do Livro "Luzes no Caminho"

Por: Richard Simonetti
Nascer, viver, morrer, renascer ainda e progredir continuamente, esta é a lei.